Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Reflexões Sobre a Graça - 42 - CULPADO? INOCENTE? ATÉ QUANDO?

CULPADO? INOCENTE? ATÉ QUANDO?
07/09/2017

Assisto e leio o noticiário da Lavajato e outros processos, indiciamentos, investigações, suspeitas, delações. O cenário está apodrecido, caótico. E dependendo da nossa simpatia ou posição política, ficamos torcendo pela condenação ou absolvição deste ou daquele.

Mas minha postagem hoje quer apenas usar isso como pano de fundo, para refletir sobre outra situação, também caótica, fazendo um paralelo entre a Justiça dos Homens e a Justiça de Deus.

Na Justiça dos Homens, todos são INOCENTES. Essa situação perdura até que haja provas em contrário. Que provas são essas que podem provar a CULPA do réu?

São resultantes de todo um processo investigatório, demorado, penoso, muitas vezes injusto e cheio de falhas. Seus agentes são juízes e jurados cheios de imperfeições.

Na Justiça de Deus, todos são CULPADOS. Essa situação perdura até que haja provas em contrário. Que provas são essas que podem provar a INOCÊNCIA do réu?

São resultantes de um processo já completado, onde um inocente, absolutamente justo e santo, foi considerado culpado, e transferiu seus méritos perfeitos para um culpado, absolutamente injusto e pecador. Desse modo este pôde ser declarado e tratado como justo e inocente. O agente e promotor desse processo é um Juiz justo, santo, infalível.

Isso é GRAÇA!

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 07/Setembro/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 07/Setembro/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Reflexões sobre a Graça - 41 - PRA QUE NÃO RESTEM DÚVIDAS!

PRA QUE NÃO RESTEM DÚVIDAS
18/08/2017

O homem em seu estado natural, vivendo no mundo sem Deus, não tem a menor capacidade de ir a Cristo, de buscar a Deus por seus próprios impulsos e conscientização, de querer o que é bom. Segundo a Bíblia, a fé, o querer (vontade), o fazer (obras), o conhecimento e até mesmo o arrependimento e o abrir da porta do coração, são obras da graça de Deus atuando no pecador, atraindo-o, motivando-o, constrangendo-o pelo amor.

Nesse estágio, o que é que Deus faz? TUDO! O que o homem faz? NADA! Qualquer participação humana, qualquer trabalho cooperativo com Deus, ocorre mais tarde, quando, após ser justificado, ele está sendo santificado, também pela graça. E não como ação do pecador, mas como reação dele ao grande amor de Deus. Não para obter ou comprar a salvação, mas, para vivê-la, demonstrá-la em serviço de amor, e confirmá-la dia-a-dia num processo que envolve relacionamento e santificação. Não como obras da lei (segundo Paulo), mas, como obras da fé (segundo Tiago).

E para que não restem dúvidas, um texto esclarecedor:

"Muitos se acham confundidos quanto ao que constitui os primeiros passos na obra da salvação. O arrependimento é considerado uma obra que o pecador deve realizar por si mesmo, a fim de poder chegar a Cristo. Pensam que o pecador deve por si mesmo conseguir a habilitação para obter a bênção da graça de Deus. Mas, conquanto seja verdade que o arrependimento deve preceder o perdão, pois é unicamente o coração quebrantado e contrito que é aceitável a Deus, o pecador não pode produzir em si o arrependimento, ou preparar-se para ir a Cristo. A menos que o pecador se arrependa, não pode ele ser perdoado; mas a questão que deve ser resolvida é quanto a ser o arrependimento obra do pecador ou dom de Cristo. ...

O pecador é comparado a uma ovelha perdida, e uma ovelha perdida jamais volta ao redil a menos que seja pelo pastor procurada e restituída ao redil. Homem algum pode de si mesmo arrepender-se, tornando-se digno da bênção da justificação. ...

O arrependimento - não menos que o perdão e a justificação - é dom de Deus, e não pode ser experimentado a não ser que seja concedido à pessoa por Cristo. Se somos atraídos a Cristo, é por Seu poder e virtude." EGW - RR, Pg.21/22.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 18/Agosto/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 18/Agosto/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: terça-feira, 20 de junho de 2017

Pérolas Esparsas - 39 - COMO DAR NOSSO TESTEMUNHO OU DEFENDER A SÃ DOUTRINA

COMO DAR NOSSO TESTEMUNHO OU DEFENDER A SÃ DOUTRINA

20/06/2017

Desde que comecei a viajar e pregar sobre a Graça e a Salvação - e lá se vão cinco anos - sempre me preocupei com a maneira como deveria fazer isso, dar testemunho e pregar o Evangelho, até porque esse é um tema onde há muitos entendimentos não alinhados com a Bíblia.

Tomando como exemplo a discussão, cada vez mais crescente e presente em toda parte, em torno de perfeccionismo x anti-perfeccionismo, há que se tomar um imenso cuidado, e aqui vai um comentário endereçado a quem se envolve nos debates, não importa sua posição como debatedor.

Temos que reconhecer algumas coisas importantes:

. Por um lado, há de fato, na igreja, os tidos como perfeccionistas, legalistas e extremistas.

. Por outro lado, há também, os tidos como anti-perfeccionistas, liberalistas e mundanos.

. Por um lado, temos o dever de combater heresias e promover a sã doutrina.

. Por outro lado, temos que ter muito cuidado e discernimento para estabelecer o que de fato é heresia ou doutrina bíblica.

. Por um lado, não devemos permitir a disseminação do erro.

. Por outro lado, não podemos combater e machucar o corpo de Cristo, que é sua igreja.

Isso não é nada simples, não é fácil, e requer, acima de tudo, consagração, requer que nos tornemos amigos de Deus, inteiramente dependentes de Sua graça. Podemos estar chamando de hereges e extremistas quem não é, bem como estar nomeando como mundanos e apostatados quem também não é.

Meu parâmetro nessas questões é a vida e a atuação do Apóstolo João. Se lermos os Evangelhos, e depois suas Epístolas, veremos que, de Filho do Trovão a Apóstolo do Amor, João aprendeu a enfrentar heresias como o Gnosticismo e a descrença na divindade de Jesus Cristo, porém fazendo isso com extremo carinho, cuidado, apreço e ternura.

Jesus, com toda a autoridade que do Céu Lhe era dada, sendo Ele o próprio Deus visível, é descrito por EGW como tendo "lágrimas na voz quando emitia Suas repreensões", mesmo ao denunciar a hipocrisia, a incredulidade e a iniqüidade. DTN pg. 245.

Se você, meu querido debatedor, pastor, professor, doutor, conseguir se portar assim ao apresentar suas argumentações através de sermões, textos, áudios e vídeos, que Deus o abençoe e use, amém por isso, estará, como prescrito por Pedro, dando a razão da esperança que há em você, mas, fazendo isso "com mansidão e boa consciência", que a BLH traduz como "educação e respeito". (I Ped. 3:15-16).

Afinal, segundo dizia meu saudoso amigo, pr. José Mascarenhas Viana, "Jesus mandou que nos amássemos, e não que nos amassássemos uns aos outros" (rsrs).

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 20/Junho/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 20/Junho/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 16 de junho de 2017

Pérolas Esparsas - 38 - NOVA ALIANÇA

NOVA ALIANÇA

16/06/2017

A Bíblia fala de um Novo Concerto, Nova Aliança, Novo Testamento, que seria firmado entre Deus e Seu povo. Este pacto não mais seria baseado no sangue de animais, como o Velho Concerto, mas dessa vez seria garantido pelo Sangue de Cristo Jesus (Mat. 26:28).

Essa Nova Aliança está belamente descrita por dois profetas que exerceram seus ministérios quase na mesma época: Jeremias e Ezequiel. Os textos estão em Jer. 31:31-35 e em Eze. 36:25-28.

A Nova Aliança, em hipótese alguma, invalida, anula, revoga as Leis de Deus. Ao contrário, nesses novos tempos, Deus as confirma, mudando Sua estratégia de aproximação do pecador, de forma a atrai-lo para debaixo de Sua maravilhosa Graça.

Leia os textos acima e verá que há pelo menos quatro promessas relacionadas com a Nova Aliança:

1. Através da Justificação Deus imprime sua Lei no coração e na mente do pecador arrependido.

2. Deus estreita ainda mais o relacionamento com Seu povo, numa relação em que declara ser o seu Deus e eles o Seu povo.

3. Deus se torna Senhor da vida do crente, que passa a conhece-Lo e a ser conhecido por Ele.

4. O pecador é perdoado e seus pecados esquecidos. Esse esquecimento não é mental, mas emocional, ou seja, Deus jamais lhe lançará em rosto aquilo que perdoou ao pecador.

Assim, regozije-se nesse amor justificador e transformador. Amor incondicional e sem limite.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 16/Junho/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 16/Junho/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 12 de maio de 2017

Reflexões Sobre a Graça - 40 - JUSTIÇA DOS HOMENS x JUSTIÇA DE DEUS

JUSTIÇA DOS HOMENS x JUSTIÇA DE DEUS
12/05/2017

Na justiça dos homens todos são inocentes até que haja provas do contrário. Essas provas são resultado de um processo judicial, e só após a apresentação das mesmas o réu pode ser declarado culpado e condenado. Esse sistema de justiça é penoso, e é sujeito a falhas, pois seus agentes são imperfeitos.

Na justiça de Deus todos são culpados até que haja provas do contrário. Essas provas são resultado de um processo de substituição, em que os méritos de Alguém são atribuídos ao réu, e só após a aceitação desse fato ele pode ser declarado justo e sem culpa. Esse sistema de justiça é gracioso, e não é sujeito a falhas, pois seus agentes são perfeitos e santos.

Que Maravilhosa Graça!

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 12/Maio/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 12/Maio/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.