Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Pérolas Esparsas - 32 - PAI, COMEÇA O COMEÇO

PAI, COMEÇA O COMEÇO!

30/12/2016

Essa é minha última reflexão este ano. Ano duro. Aliás, como todos os anteriores, sem tirar nem pôr. O próximo poderá ser ainda mais duro, na percepção de muitos, ou o ano da virada, na esperança de outros tantos. Bem sei que, uma coisa é a expectativa ou o desejo, e outra coisa é a realidade. Mas, sei também, que a realidade, seja ela qual for, poderá chegar a mim com conotações e impactos distintos. E isso tem muito a ver com as minhas escolhas, e, como cristão – não posso fazer abstração disso – a forma como me relaciono e me coloco nas mãos de Deus.

Há uma história bem conhecida aqui na Web, de um garotinho que sempre que queria comer alguma fruta, especialmente tangerinas, pelas quais era fascinado, pegava uma delas e pedia ao seu pai para “começar o começo”, isto é, dar aquele primeiro corte, rasgando a casca, que para o menino era muito dura. Ele se recordava que algumas vezes o pai não apenas dava o primeiro corte, mas, continuava a tarefa e tirava toda a casca até o fim, entregando-lhe então a fruta prontinha para ser aproveitada. Mas, outras vezes, o pai, de fato, apenas dava o rasgo inicial, e dali pra frente o menino continuava e terminava o trabalho, para então, comer a deliciosa fruta. Mas, mesmo nesses casos, ele se recordava do rosto alegre e do sorriso amorável do seu pai ao interagir com ele, pronto para ainda tirar partes da casca um pouco mais duras.

Esse menino bem que podia ser eu, pois amo tangerinas. Lembro-me, há muitos anos, que estive uma tarde inteira em uma fazenda do Dr. Milton Afonso, lá no Rio de Janeiro, não lembro a cidade, acho que era Friburgo, e, encorajado por ele, comi muitas tangerinas, dezenas, de uma enorme plantação que ele possuía. Foi uma festa pra mim.

Mas, as tangerinas que hoje preciso descascar e digerir, adulto e idoso que sou, cansado e muitas vezes angustiado pelas situações criadas por minhas escolhas, vaciladas e desencontros, são outras. E, assim como o menino fazia naquela história, eu preciso todo o tempo pedir ao Pai que “comece o começo” pra mim. Algumas vezes, Ele vai tirar toda a casca e me entregar uma situação resolvida, prontinha para ser desfrutada. Mas, outras tantas vezes, segundo o Seu propósito, Ele vai dar apenas o primeiro corte, e deixar que eu retire o restante da dura casca que envolve o meu problema, o meu anseio, o meu projeto. Contudo, posso ter a certeza de que, ainda assim, Ele estará ao lado, sorridente e amorável, interagindo comigo, e pronto a tirar os pedaços de casca que eu ainda não consigo.

Nessa virada de ano, que é um reinício importante apenas na minha cabeça, que conta os tempos assim, mas, é na realidade, toda uma existência contínua a ser vivida, com novos começos, com reinícios diários, eu, como aquele menino, quero pedir a Deus: “Pai, começa o começo”. Ou seja, "tira toda a casca, se achares que deve ser assim, ou, pelo menos, dá o primeiro corte nela, e fortalece minhas mãos cansadas e dedos feridos, para que eu consiga seguir o Teu plano para minha vida, retirando tudo aquilo que me aprisiona e deprime.".

A certeza que tenho de que Ele vai atender a minha oração, não apenas dando o primeiro corte na dura casca que me angustia, mas, terminando todo o processo, me é dada por esse texto bíblico:

“Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até o dia de Cristo Jesus.” Fil. 1:6.

Como gosto, sempre que possível, de emoldurar minhas reflexões com música, feche seus olhos, coloque seus fones de ouvido, e aprecie esse velho hino, chamado Moment By Moment, que afirma que a cada momento o Senhor está comigo, me ampara nas minhas lutas e me livra do maligno. Dessa forma Ele me ajuda a descascar as "tangerinas" do viver.

Quem canta é, no meu gosto pessoal, o melhor tenor cristão que já ouvi, Pastor Walter Arties, com piano e arranjo orquestral de outro músico maravilhoso, Paul Johnson. Conheci pessoalmente Walter Arties e conversei com ele, há alguns anos. Pelo que sei, ainda vive, bem velhinho, na Califórnia, embora hoje, certamente, já não consiga esse límpido Sí-bemol do final. Vale lembrar que essa gravação tem quase 50 anos.

FELIZES E VENTUROSOS DESCASCAMENTOS EM 2017!

CLIQUE AQUI: www.multisites.com.br/dl/moment_by_moment.mp3

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 30/Dezembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 30/Dezembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sábado, 24 de dezembro de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 38 - PLANO DE SALVAÇÃO

PLANO DE SALVAÇÃO
24/12/2016

Sem diminuir a importância dos grandes tratados de teologia e apologética, podemos dizer que o Plano da Salvação provido por Deus é muito simples e baseado numa situação facílima de compreender:

Temos, de um lado o ser humano transgressor, sem qualquer merecimento, nascido sob o domínio do pecado, carregado de culpas, condenado a uma morte eterna, e assim, sem qualquer perspectiva além dessa vida penosa e sofrida. A única coisa boa que ele tem é a vontade livre e o poder de escolha. No mais, ele é inimigo natural de Deus e das coisas espirituais.

Temos, de outro lado, um Deus santo, possuidor de todo o bem, toda a justiça e misericórdia, pronto a receber quem aceitar o Seu perdão e graça, oferecendo gratuitamente Seus méritos perfeitos, Sua obediência completa e ansioso para declarar como justo o homem pecador. Para isso Ele estende a Sua mão da reconciliação.

Todo o Plano de Salvação consiste em os dois trocarem de lado. Ponto.

Assim, Deus nasce neste mundo com natureza semelhante à humana, é feito pecador em seu lugar, leva sobre Si toda a injustiça humana, perversões, delitos e fracassos, e morre numa cruz. E o homem se torna justo, por ter creditado na sua vida tudo de bom que há em Deus, méritos, obediência e justiça, que dessa forma se tornam dele, e pode viver pra sempre.

Eu disse acima que essa situação é simples de compreender, e é, até mesmo para uma criança. O difícil, tem sido nós admitirmos essa simplicidade, acreditarmos nela e a aceitarmos pela fé. E, havendo-a aceitado, nos dispormos a crescer nessa graça redentora, preparando-nos para o melhor dela, que é ter essa nova condição perdurando por toda a eternidade.

Desejo que este Natal e Novo Ano nos tragam essa percepção acima.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 24/Dezembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 24/Dezembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 37 - DEBAIXO DA GRAÇA E NÃO DA LEI

DEBAIXO DA GRAÇA E NÃO DA LEI
09/12/2016

"Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois, não estais debaixo da lei, e, sim, da graça. Mas, e daí? Haveremos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e, sim, da graça? De modo nenhum." Rom. 6:14-15.

Estar debaixo da lei significa tão somente estar debaixo da condenação da lei. Quando o motorista avança o sinal vermelho, imediatamente torna-se infrator da lei do trânsito, e assim, se coloca debaixo do rigor dela. E quando paga a multa (ou alguém paga por ele), única forma conhecida de sair de debaixo da lei, isso não a anula, mas, apenas livra o transgressor da condenação da mesma. Até porque, continuará sendo infração avançar o sinal vermelho.

Como diz Arnaldo César Coelho, comentarista da Globo, "a regra é clara". E vou me apropriar de um paradoxo libertário pra dizer também: "qualquer criança entende, menos alguns adultos".

Quando Paulo fala de o pecado não mais ter domínio sobre nós, está falando de uma condição contínua de alienação e comodismo espiritual, deixando o pecado reinar na vida. Essa condição, o cristão consciente, que foi efetivamente salvo pela graça através da fé, não tem mais, não vive mais.

Por outro lado, como possui natureza pecadora e caída, e a conservará até que Jesus volte, esse cristão, miseravelmente, ainda peca. Mas, quando isso acontece, temos todo um sistema de salvação pronto para atribuir o perdão, eliminar a culpa e conservar o crente no caminho rumo ao céu.

Agora, é risível achar, como muitos gostam de enfatizar, que por haver um sistema perdoador e gracioso à disposição, esse cristão vai então usar isso como álibi para não buscar a vitória em Cristo e o crescimento na graça. Não, não vai. Pecar de caso pensado, é, como sempre digo, pouco ou nada inteligente.

"E Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário, vocês transbordem em toda boa obra." II Cor. 9:8.

Ou as boas obras acontecem e transbordam como resultado da salvação pela graça, ou não haverá significado algum nelas.

Aqui não há espaço nem para teorias de perfeccionismo e nem de anti-perfeccionismo, uma discussão absolutamente ineficaz. Aqui eu só vejo espaço para a busca pessoal de santificação, "sem a qual ninguém verá o Senhor". O que passar disso será polêmica tão infrutífera quanto não edificante. Não passará de um infindável esgrimir de textos bíblicos e inspirados, sem nenhum resultado espiritual prático.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 09/Dezembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 09/Dezembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 36 - OBEDIÊNCIA

OBEDIÊNCIA
25/11/2016

Quando tento garantir, melhorar, pagar pela salvação com obediência e boas obras, é como se eu quisesse pagar uma mesma dívida duas vezes. Obediência, boas obras, guarda da lei, tidas assim, configuram nossa justiça, que pra Deus é trapo de imundícia. E o pior é que essa nossa atitude é, na maioria das vezes, inconsciente.

Todo o contexto de obediência e submissão à vontade de Deus, através dos Seus mandamentos, só tem valor para Ele à sombra da obediência perfeita de Cristo Jesus, a qual me é atribuída pela fé, no momento da Justificação.

Não nos iludamos, a obediência é requerida, sim, mas é aceita por Deus apenas como ato voluntário, consciente, racional, e como resultado e fruto do Evangelho, não como retribuição, pagamento ou meio de Salvação. Ou, pior ainda, como ato frio e mecânico, apenas pelo fato de os preceitos da lei terem sido escritos nas táboas de pedra do Sinai por Deus. Se não estiverem escritos no coração, como prescreve a Nova Aliança, nenhum valor haverá em obedecê-los severamente. Isso só irá obscurecer a Graça na nossa vida e fazer aflorar o Legalismo.

Eis a maneira correta de nos submetermos a Deus:

"Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela se utiliza de modo legítimo." I Tim. 1:8. ARC.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 25/Novembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 25/Novembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Pérolas Esparsas - 31 - PRECONCEITO

PRECONCEITO

11/11/2016

Quantas vezes, na minha vivência de cristão, exerço a velha mania, sempre presente na massa do meu sangue, de patrulhar o comportamento alheio, medindo o meu semelhante pelos padrões que estabeleci para mim, muitas vezes acreditando que são bíblicos (embora nem sempre sejam). Busco, então, avaliar as pessoas, julgá-las, e, quase sempre, condená-las, pela minha régua, pelo meu “template”, pelos parâmetros que fixei para mim como sendo taxativos e definitivos.

Assim, mostro-me preconceituoso ao extremo. E isso acaba me tornando fanático. Sendo que ambos, o preconceito e o fanatismo, me deixam cego e surdo. Passo a ver e ouvir apenas o que quero e me interessa. A verdade em que creio, a religião que professo, passam a ter o tamanho do meu preconceito. Tendo sido criado à imagem de Deus, vou criando um “deus” à minha imagem.

Outro dia vi um vídeo em que um jovem tatuado e cabeludo, numa lanchonete, comprava sua refeição, sentava-se à mesa e, antes de comer, inclinava a cabeça em alguns momentos de oração e reflexão, atitude que meu preconceito não permitiria jamais esperar. Aliás, atitude que eu próprio raramente tenho.

Rodolfo, ex-roqueiro da banda Os Raimundos, hoje um atualizado e esclarecido pregador do Evangelho, sabe bem o que é isso, quando é pré-julgado e negam-lhe muitos púlpitos, simplesmente porque um pregador jamais pode ter as tatuagens que ele um dia se permitiu fazer.

E isso não é o ruim e nem o pior, afinal, essa atitude nefasta, que gera um comportamento e um caráter também nefastos, é característica nata do ser humano. O ruim mesmo é, ao ficar montado nos figurinos que construí para mim, querer vestir a todos com as minhas roupas, e assim, jamais reconhecer-me como preconceituoso. E o ainda pior, é em função do preconceito, distanciar-me das pessoas, afastá-las do meu convívio, e até mesmo, praticar o desamor, o desinteresse e a indiferença.

Na verdade, o preconceito acontece em todas as esferas da atividade humana, não apenas no patamar da religião e das coisas espirituais. Nesse patamar o preconceito é apenas mais absurdo e insidioso. Mas, também não é nada que um bom banho de graça não resolva. Que Deus me ajude a sempre lutar contra isso. Esse ranço, por certo, vai me acompanhar sempre, mas espero que cada vez menos.

Como diz o excelente e contundente Gabriel o Pensador, “nós nascemos de uma mistura, então pra que o preconceito? ”.

Um outro pensador, inspiradíssimo, também disse:

"Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à plena luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá o seu louvor da parte de Deus." I Cor.4:5.

FELIZ SÁBADUUU!

PS: Veja que eu escrevi esse texto pra mim, basta olhar a formação das frases. Utilize pra você, caso se identifique com essa atitude e comportamento.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 11/Novembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 11/Novembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Pérolas Esparsas - 30 - VITÓRIA REPUBLICANA. AND NOW?

VITÓRIA REPUBLICANA. AND NOW?

09/11/2016

Aconteceu, no processo natural da democracia americana. A alternância de poder lá funciona. Júbilo e euforia ou apreensão e medo?

Hoje cedo, na minha meditação diária, dei de cara com dois textos muito interessantes de EGW, com considerações políticas. Tenho certeza de que eles serão muito usados, à exaustão, com diferentes interpretações. Leia-os lá embaixo após a minha postagem.

No primeiro texto, de certa forma, é colocada uma censura àqueles pertencentes ao povo do advento que advogam posições políticas alinhadas com o que hoje chamaríamos de "esquerda", e considera os princípios republicanos (colocando os direitos dos negros entre esses princípios) como os mais adequados aos ideais de Deus, fazendo até uma analogia com a rebelião de Lúcifer contra Deus no céu.

No segundo é colocada uma situação de abandono desses princípios, ditos de natureza protestante e republicana, como sendo um sinal da proximidade do fim. Aliás, isso faria mais sentido no presente caso, se tivesse havido uma vitória democrata. Mas, nada impede que possa vir a acontecer, mesmo com a vitória republicana.

Minha leitura desse cenário é simples e tranquila, sem qualquer alarmismo ou "apocalipsismo". Eu entendo que Deus tem ações executivas e ações permissivas, conseguimos depreender isso de toda a história relatada nas Escrituras. Agora, onde Deus de fato executa, de forma direta, suas ações soberanas, e onde Ele simplesmente permite que coisas aconteçam, e as usa de forma que não interfiram em Seus propósitos maiores, não me atrevo a tentar definir ou estabelecer. O certo é que absolutamente nada acontece sem que Ele o saiba e permita.

Minha fé continua me dando total suporte emocional e espiritual para viver e sobreviver, trabalhar, cuidar da minha família e amar meu semelhante. Acredito que nada foge ou fugirá ao controle divino, há de fato Alguém por trás da história, que a levará a um final feliz, independente das minhas interpretações, anseios, tendências políticas, ou dos acontecimentos nesta ou naquela direção. Os acontecimentos no mundo não são determinantes de nada, são apenas indícios. Eles não geram situações, mas, apenas as denotam. Os EUA tiveram há alguns anos um 11/09, e agora vivenciam um 09/11. Indícios.

Assim, continue correndo a carreira que lhe foi proposta. Apegue-se à graça de Deus e relacione-se com Ele, através de três coisas simples e indispensáveis: oração, estudo da Palavra e serviço de amor ao próximo. E viva sua vida, de certa forma, "como se não houvesse amanhã", e em outro sentido, como se o amanhã fosse hoje.

MARANATA!

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 09/Novembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 09/Novembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: terça-feira, 18 de outubro de 2016

Pérolas Esparsas - 29 - NUNCA É DEMAIS LEMBRAR

NUNCA É DEMAIS LEMBRAR

18/10/2016

Não discuta a perfeição, busque-a.
Não converse sobre o pecado, aprenda sobre a salvação.
Não torça textos inspirados, assimile-os na sua vida.
Não perca a sua paciência, tenha paz com Deus.
Não diminua seus opositores, cresça você na graça.
Não ataque ou afronte seus irmãos, interceda por eles.

Lembre-se que seus argumentos, por mais fantásticos que lhe pareçam, sempre podem ter outra leitura, e são sujeitos à interpretação. Portanto, o foco tem que ser colocado no seu relacionamento com Deus.

Ah, e ore por você. Pare de bater sempre na mesma tecla. Isso apenas irrita, e não produz boa música. O piano de Deus tem bem mais que 88 teclas.

E, afinal, estamos combatendo o mesmo combate e queremos completar a mesma carreira. Ou não?!

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 18/Outubro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 18/Outubro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Pérolas Esparsas - 28 - O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO!

O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO!

07/10/2016

"Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo." João 18:36.

Sempre que me perguntam sobre ação política, lembro-me desse texto acima. Quando Jesus pronunciou essa assertiva diante de Pilatos, não creio, em absoluto, que Ele estivesse querendo cercear nossa liberdade de opinião ou pensamento, nem podar nossas opiniões e posições a respeito de política, civilidade ou cidadania, ou mesmo impedir nosso interesse por assuntos de abrangência social e coletiva em nossas cidades, estados e países.

Jesus, até onde posso entender, estava querendo apenas pontuar que as diretrizes, critérios e propósitos do Reino de Deus são, via de regra, diferentes daqueles pelos quais se guiam os reinos deste mundo. E, consequentemente, as atitudes e posturas, as palavras e ações, dos súditos de Seu Reino deveriam ser diferentes daquelas apresentadas pelos súditos de qualquer outro reino, império ou potestade. Aliás, foi o abandono geral de que foi vítima que o levou a essas palavras.

Esclarecido esse ponto diante daquele governante, o Mestre seguiu enfrentando o julgamento daquele tribunal, e, assim, penso que jamais Ele pretendeu, com aquela frase, tolher ou mutilar aquilo com que nos criou, ou seja: raciocínio, vontade livre e poder de escolha. Afinal, Ele também estava ali inteiramente por vontade própria e escolha pessoal. Ele nunca quis, até que um dia volte, nos tirar do mundo, mas, apenas nos livrar do mal.

Como cristão, pai de família e cidadão, não vejo qualquer problema na ação política de qualquer pessoa que aguarde o Reino de Deus. Viver é, em essência, um ato político. Estudar, trabalhar, desenvolver projetos, constituir família, criar filhos, são ações que envolvem outras pessoas, muitas pessoas, e são ações também políticas. Até mesmo pregar o evangelho e buscar a vida eterna o são, já que a grande comissão deixada por Jesus é uma ação que envolve coletividade.

A mim o posicionamento político de meus irmãos não incomoda nem um pouco, pois, consigo conviver com facilidade com quem pensa diferente de mim. O que me incomoda "no úrtimo", como se diz em algumas regiões, é a ação deletéria, as palavras de agressividade desmedida, o menosprezo, a acusação, o deboche, a ira, o pernosticismo de sempre considerarmo-nos como donos da verdade, enquanto os outros nada sabem.

Isso acaba conduzindo à grosseria e à falta de educação, e não poucas vezes à intolerância e ao ódio. Não há nenhum problema em me considerar de esquerda ou direita, desde que não queira excluir do meu convívio quem pensa diferente de mim.

Quer adotar os postulados da direita ou da esquerda? Boa sorte, mas, procure não fazê-lo por simples ideologia, e, sim, por suas realizações nessas direções, pois tanto em um quanto em outro lado há ações que podem ser preferenciais por aqueles que sofrem. E, se você é cristão, tem mais de meio caminho andado.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 07/Outubro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 07/Outubro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Pérolas Esparsas - 27 - IMPECABILIDADE

IMPECABILIDADE

26/09/2016

Onde houver seres criados com vontade livre e poder de escolha, não haverá impecabilidade. Sempre existirá a possibilidade de pecar, mesmo na eternidade, a menos que não tenhamos mais o chamado livre arbítrio. Foi assim no céu, certamente é assim em todos os mundos criados que nunca pecaram. Deus é o Deus da liberdade, que não oprime, não força, não exerce tirania.

Isso não constituirá uma ameaça à felicidade eterna, pois, o que impedirá a recorrência do pecado, muito mais que uma transformação corpórea ou orgânica, será um coração cheio do amor de Deus, uma mente experiente que vivenciou as mazelas originadas pelo pecado, uma natureza novamente sem tendência pra pecar, a presença física de Deus conosco para sempre.

Aprendamos, de uma vez por todas, que impecabilidade é um atributo apenas da Divindade, nenhum ser criado a possui ou a possuirá. Após a caminhada da Santificação, por toda a vida crescendo na Graça, obteremos, em Sua vinda, a consolidação da perfeição completa em Cristo Jesus, quando "tudo que é imperfeito desaparecerá" (I Cor.13:10 - BLH). Mas, isso é diferente de impecabilidade.

Então, não gaste tempo discutindo se é possível viver sem pecar ou não. Ao invés disso, busque a vitória em Cristo, de modo que "não reine mais o pecado em vosso corpo mortal" (Rom.6:12). Não gaste tempo polemizando sobre se é possível ser perfeito ou não. Ao invés disso, prossiga "para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Fil.3:14).

Faça uso diário do perdão de Deus, utilize a fórmula bíblica do arrependimento e confissão sempre que isso se fizer necessário - e será, até que Jesus volte.

Mas, não pense que conseguirá enganar a Deus, usando isso como álibi para praticar transgressões de caso pensado. Nenhum cristão consciente de sua salvação pela Graça agirá assim. Isso seria, no mínimo, falta de inteligência espiritual.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 26/Setembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 26/Setembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sábado, 17 de setembro de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 35 - BOAS OBRAS

BOAS OBRAS
17/09/2016

Fuja das boas obras. Como meio de salvação. Ou estará debaixo de maldição (Gal.3:10). Caminhe para as boas obras. Como fruto da salvação pela Graça (Efe.2:10). Ou continuará debaixo de maldição.

Saia de debaixo da Lei, e ela não maìs o condenará. Vá para debaixo da Graça, e a Lei o protegerá. (Rom.6:14-15).

Não pratique, pois, obras da Lei, condenadas por Paulo, pelas quais nenhum homem será justificado (Gal.2:16), e assim você não cairá da Graça (Gal.5:4). Pratique obras da Fé, enaltecidas por Tiago, sem as quais a Fé morrerá, e assim, você crescerá na Graça (Tia.2:14,17 e 20).

Saiba que a mesma boa obra pode ser praticada, o mesmo mandamento pode ser guardado, como obra da Lei (e não agradará a Deus), ou como obra da Fé (e Deus o sustentará nela). Escolha que obra quer fazer.

Esse é o evangelho puro, saudável, feliz e seguro, que não tem medo do futuro e nem do fim do mundo. Não usa a Graça para proteger sua zona de conforto, e nem a Lei para ganhar a salvação. Simples assim, sem blá-blá-blá, e sem mi-mi-mi. E desfrute de um excelente fim de semana. Maranata! FELIZ SÁBADUUU!

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 17/Setembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 17/Setembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sábado, 10 de setembro de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 34 - MOTIVOS

MOTIVOS
10/09/2016

O medo, a culpa, a intimidação e a pressão também geram obediência e submissão. Mas, não geram transformação. É Deus quem santifica os nossos motivos, via de regra inadequados e distorcidos. Que possamos ser levados a servi-Lo e a caminhar com Ele pelas motivações corretas: amor e graça. Assim, viveremos uma religião saudável, feliz e com certeza da salvação.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 10/Setembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 10/Setembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sábado, 3 de setembro de 2016

Pérolas Esparsas - 26 - VOLTANDO À PERFEIÇÃO

VOLTANDO À PERFEIÇÃO

03/09/2016

A respeito desse tema tão debatido e controverso, mais algumas poucas reflexões.

I - POR UM LADO TEMOS:

"Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus." Mat. 5:48.

"Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. ... Quem comete pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus." I João 3:6-9.

"Quem não tem suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode livrá-lo de pecar, não tem a fé que lhe dará entrada no reino de Deus." EGW, Man. 161, 1897.

"Quando uma alma recebe a Cristo, recebe também o poder de viver a vida de Cristo." EGW, PJ. pg. 314.

"Nada menos que a perfeita obediência pode satisfazer ao ideal que Deus requer. Ele não deixou Sua vontade indefinida. Não ordenou coisa alguma que não seja necessária a fim de pôr o homem em harmonia com Ele." EGW, CBV, pg.180.

II - POR OUTRO LADO:

"Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. ... Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós." I João 1:8 e 10.

"Só os que estão longe de Cristo pretendem possuir impecabilidade. Por que tantos se dizem santos e sem pecado? É porque estão muito longe de Cristo. Eu nunca ousei afirmar semelhante coisa." EGW, ME v.III, pg. 353/354.

"Tomais passagens dos Testemunhos que falam do fim do tempo da graça, da sacudidura do povo de Deus, e falais da saída dentre esse povo de um outro povo mais puro, santo, que surgirá. Ora, tudo isso agrada ao inimigo. Não devemos adotar, desnecessariamente, um procedimento que origine divergências ou suscite dissensões. Não devemos dar a impressão de que se nossas idéias particulares não forem seguidas, é porque os pastores estão falhando na compreensão e na fé, e estão andando em trevas." EGW, ME, v.I pg.179.

“Ninguém pode ser justificado por quaisquer obras próprias. Só pode ser libertado da culpa do pecado, da condenação da lei, da pena da transgressão, pela virtude do sofrimento, morte e ressurreição de Cristo. A fé é a única condição para obter a justificação." EGW, ME, vol. 1, pg. 389.

“A lei requer justiça, e essa o pecador deve à lei; mas ele é incapaz de apresenta-la. A única maneira em que ele pode alcançar a justiça é pela fé.” EGW, ME v.1 pg.367.

III - CONCLUSÃO:

Na realidade, com um pouco de habilidade e conhecimento bíblico e da nossa literatura denominacional, com exegeses ou não, analisando textos no hebraico e no grego e suas construções e estruturas, é possível elaborar arrazoados bem fundamentados, em qualquer dos dois sentidos. Eu poderia mostrar aqui dezenas e dezenas de outros textos que comprovam o que acabo de dizer. Mas, não iria conseguir convencer ninguém - nem pretendo - até porque, via de regra, os debatedores mais acirrados destas questões creem naquilo que querem crer, ninguém convence ninguém.

Quero dizer que, da minha parte, não gasto muito tempo com essas discussões. Deus tem confortado e satisfeito meu coração com uma postura que considera a receita bíblica de examinar tudo e reter aquilo que é bom. Como costumo dizer, a perfeição, para o crente, nunca deve representar um problema, mas um anseio legítimo. Ao invés de gastar tempo em discussões infindas e infrutíferas sobre perfeição, busquemos a santificação. Ao invés de debater acirradamente sobre impecabilidade, busquemos que o pecado não reine na nossa vida.

Vejam o que me edifica, conforta e satisfaz:

“Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele...” I Joao 3:2.

"Mas quando vier o que é Perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.” I Cor. 13:10.

“Tenho visto que toda perfeição tem seu limite; mas, o teu mandamento é ilimitado.” Salmos 119:96 - ARC.

“[Cristo] é um perfeito e santo exemplo, dado para que O imitemos. Não podemos igualar o modelo, mas não seremos aprovados por Deus se não O copiarmos e, segundo a capacidade que Deus nos tem dado, O assemelharmos.” EGW, TI, v.2, pg. 549.

“Jamais podemos igualar o modelo; mas podemos imitá-Lo e nos assemelharmos a Ele segundo a nossa capacidade.” EGW, RH 5/2/1895 pg. 81.

E para afastar acusações que sempre são feitas alhures: o cristão salvo pela graça, e consciente de sua salvação, não usa essa salvação que recebeu para bater na cabeça daqueles que ele considera não-salvos. Por outro lado, não busca fazer da graça um grande cobertor que encobre uma vida espiritualmente acomodada que não quer mudar. Ao contrário, mesmo sabendo-se imperfeito e portador de uma natureza pecaminosa e caída que só será transformada ao ver Jesus voltar, ele "corre firmemente para o alvo, para o prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus".

Assim, ele não é negligente ou displicente ao esperar pela transformação apenas na volta do Senhor. Não seria nem inteligente pensar dessa forma. Ele sabe que, na volta do Senhor o seu caráter será mudado sim, mas, não de mau para bom, e sim, de imperfeito para perfeito, de corruptível para incorruptível. Maranata!

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 03/Setembro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 03/Setembro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Pérolas Esparsas - 25 - POSSO SER PERFEITO?

POSSO SER PERFEITO?

19/08/2016

(Excerto de um Sermão de nova Série sendo planejada e preparada, sobre Vida Cristã e Volta de Jesus.)

Nas minhas andanças por esses “Brasís” pregando sobre a Graça de Deus e a Doutrina da Salvação, tenho frequentemente sido procurado por pessoas que me fazem esta e outras perguntas correlatas. Sinto que algumas buscam claramente a polêmica e querem apenas colocar de forma enfática, às vezes agressiva, a sua posição. Mas, na maioria das vezes delas sinto nelas um sincero e, por vezes, angustiado questionamento.

Esse é um assunto sempre presente, recorrente em todo o meio cristão, e, é claro, também entre o povo do advento, e isso há muitas décadas, quiçá séculos. Vê-se essa discussão quase como “arroz de festa” aqui nas redes sociais, na Internet de modo geral, nas faculdades de Teologia, nas igrejas, nas TVs, nos sermões e nos livros. Acredito que nos lares cristãos esse debate também se faça presente com bastante frequência. Eu mesmo, já me ocupei desse assunto algumas vezes.

E que não se pergunte aos nossos teólogos e pastores, ou aos nossos oradores e palestrantes televisivos ou midiáticos. Não vou citar nomes, eles são por demais conhecidos, e são homens consagrados ao ministério da pregação. Mas, seus discursos muitas vezes mostram que não há muita concordância entre eles sobre essa questão e sobre os textos bíblicos e de literatura denominacional que falam de perfeição, natureza de Cristo, semelhança com Cristo, natureza humana, pecado e vitória sobre o pecado, perdão de Deus, construção do caráter, até mesmo sobre a graça, a doutrina da salvação e outros temas agregados. Há diversos vídeos na Internet que mostram essa diametral oposição de pensamentos e opiniões.

Essa discordância é verdadeira aqui e nos EUA, e eu até acho que isso não é assim tão ruim como se pensa. Entre outras coisas, a oposição de ideias pode estimular a busca, o questionamento e a pesquisa.

Por um lado, é muito bom ver tomando o lugar do futebol, das novelas, da política, da fofoca e de amenidades absolutamente desimportantes, um assunto de natureza eminentemente espiritual. Amém por isso. Muito embora seja conversado, às vezes, com paixão acima do esperado e recomendável.

Por outro lado, sente-se claramente que o debate acirrado e agressivo, que até mostra erudição e conhecimento bíblico, mas, frequentemente resvala para o julgamento, a ironia, o deboche e o menosprezo por posições contrárias, de ambos os lados, demonstra claramente que discutimos tanto a perfeição que esquecemos de ser perfeitos, ou seja, de procurá-la no nosso dia-a-dia, de deixar crescer o fruto do Espírito, de fomentar os dons espirituais e de desfrutar da graça de Deus e da alegria da salvação. Passamos a ler a Bíblia e outros livros religiosos, para encontrar argumentos que mostrem quão certos estamos, quão errados estão os outros, e não mais para encontrar Jesus, nosso modelo, e mais que isso, nosso substituto. A discussão em si, toma, assim, o lugar da busca sincera por santificação. Que triste, não é mesmo?

Prega-se que posso ser perfeito nessa vida, assim como Jesus conseguiu eu posso conseguir, posso mesmo atingir a estatura de Cristo, vivendo sem pecar (isso não tem outro nome a não ser impecabilidade), antes de vê-Lo voltar nas nuvens e me conceder mente transformada e corpo glorificado. Na posição oposta, prega-se que não podemos, que essa perfeição humana é muito limitada, que temos a nossa esfera de atuação, que a perfeição é um conceito e um ideal e não um estado absoluto, que o conceito de pecado e de pecar ou viver pecando precisa ser melhor entendido.

Um lado apega-se a figuras como Enoque e Elias para querer demonstrar graus de perfeição terrena que habilitam para o céu. O outro lado mostra Moisés, Abraão, e principalmente o icônico e emblemático Davi, para mostrar, principalmente nesse último caso, como até no leito de morte, alguém segundo o coração de Deus, pôde agir de maneira inadequada e até mesmo dar conselhos terríveis a seu filho.

E não é apenas isso que de modo tão simples e rápido eu coloquei acima. Há muitos outros detalhes e sutilezas nas colocações, que conduzem a assuntos mais complexos como as duas naturezas de Cristo, pré e pós lapsarianismo, carne santa, pecado original, perfeccionismo, universalismo, relativismo, teoria da última geração, cento e quarenta e quatro mil e tantas coisas mais.

E, convenhamos, com um pouco de conhecimento das Escrituras e dos livros espirituais, esgrimindo interpretações variadas, consegue-se, com grau bem razoável de coerência e desempenho, chegar a conclusões díspares. Tanto é verdade que os sermões, livros, vídeos, se multiplicam nesses cenários e são verdadeiros sucessos. Eu poderia mostrar aqui diversos textos que comprovam essas possibilidades distintas, e até sem tirá-los muito de seu contexto. Mas, não gastarei um minuto sequer com isso.

Assim, vou responder às pessoas que me têm procurado, e vou fazer isso de uma vez por todas, minha posição é bíblica, simples, não é polêmica, não vou citar grandes tratados perfeccionistas ou anti-perfeccionistas, até porque não os conheço. E quero dizer que eu não alimento essa discussão, entre outras coisas por reconhecer o que digo acima, e por saber que, na maioria das vezes, essa discussão não edifica.

Vou então fazer minhas as palavras do apóstolo Paulo, ele mesmo, atormentadíssimo que foi com essa questão de não fazer o que queria, fazer o que não queria e ser ou não perfeito. Paulo realmente padecia dessa tremenda angústia e não se conformava com isso. Em Rom.7:15-24, começa dizendo:

“Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto”. Verso 15.

E isso vai crescendo, por dez desesperados versículos, até que ele clama em agonia espiritual: “Miserável homem que eu sou; quem me livrará do corpo dessa morte?”. Verso 24.

Quem nunca passou por isso? Felizmente Paulo encontra alívio e a grande solução para esse processo no verso 25:

“Graças a Deus, por Jesus Cristo nosso Senhor! De modo que eu mesmo, com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.”

Aqui ele dá graças a Deus pelo ministério gracioso, substituto, justificador e santificador de Cristo Jesus, e reconhece que embora na carne ele sirva à lei do pecado (tendências herdadas e cultivadas, natureza pecaminosa), na sua mente ele servia à Lei de Deus.

Rom. 7:15-25 é um dos textos mais fantásticos de Paulo, pois descreve nossa própria miséria, a nossa condição de seres humanos com natureza caída se debatendo com algo que apenas Jesus Cristo pode fazer por nós e em nós. Mas, mostra também a maneira divina de resolver essa tensão.

Em outro momento, Paulo estava já preso em Roma, mais ou menos 3 a 4 anos antes de sua morte. Portanto, não era um cristão iniciante, inexperiente, mas um grande herói da fé, e escreve a epístola aos Filipenses, onde reconhece, taxativamente, que não tinha alcançado a perfeição. Mas, até por isso mesmo, ele diz que atitude tomava:

“Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” Fil.3:12-14.

Fantástico! Neste único texto Paulo dá um golpe forte nas duas correntes de pensamento: de um lado, nas pretensões perfeccionistas de qualquer cristão; de outro lado, no comodismo espiritual de quem procura um álibi para não buscar vencer o pecado.

Vejam, para o cristão que espera e quer ver Jesus voltar, a Perfeição não deve ser um problema, mas um anseio legítimo. Viver sem pecar é nosso grande ideal, sonho de todo cristão consciente, será o passo final para a glorificação, quando não apenas não pecaremos mais (atos pecaminosos) mas, mais que isso, deixaremos de ter tendência para pecar (natureza) e voltaremos a ser como Adão antes da queda, seremos como Jesus Cristo.

Por outro lado, nenhum cristão consciente, salvo pela graça, vai usar essa graça, ou o fato de ter natureza pecaminosa, de ter tendência natural para pecar, como desculpa para pecar e permanecer como escravo do pecado, deixando o pecado reinar na sua vida e buscando pecar de caso pensado, planejado, e conscientemente alimentado.

Aliás, isso não seria nem inteligente. Basta quem age assim lembrar que quem lê e conhece os motivos mais escondidos do nosso coração é Alguém que não erra, e cujo julgamento não admite a menor e mais ínfima possibilidade de ser injusto. Aconselho que todos tomemos uma overdose de Rom. 6.

Analisando a vida e obra de Paulo, é muito fácil perceber que ele jamais liberou o crente da necessidade de obedecer às leis de Deus como estilo de vida, como ato de ética cristã. Ele mesmo se declarou seguidor da Lei de Cristo. Mas, com certeza, ele ensinou que o crente está livre do peso da Lei de Deus como sistema de salvação.

Meu querido irmão e amigo, essa é a minha posição, a posição que inspirou Paulo, levando-o a nos transmitir de maneira tão simples e sem qualquer rebuscamento a sua situação e como ele enfrentava isso. Desfrute da graça de Deus, use-a não como cobertor a encobrir uma vida espiritual acomodada que não quer mudar, mas, sim, como estímulo para mudar de vida e deixar-se transformar, dia a dia, pelo caminhar com Deus.

De conversas sinceras e equilibradas, não há problema algum em participar e até mesmo debater, como diz Pedro, com mansidão e boa consciência. Mas, fuja das discussões sem nenhum resultado espiritual prático, que apenas acirram os ânimos, criam cisões e evidenciam que, de fato, não somos perfeitos. Alegre-se no Senhor e refugie-se na Sua salvação!

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 19/Agosto/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 19/Agosto/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 15 de julho de 2016

Pérolas Esparsas - 24 - ESCOLHI ACREDITAR

ESCOLHI ACREDITAR

15/07/2016 Estou em Tocantinópolis-TO, lá no topete do antigo Estado de Goiás, hoje Tocantins. Falo desde 4ª.feira sobre a graça para pessoas simples, muitas bem humildes, de algumas congregações ASD, e no Sábado à noite falarei em uma aldeia de mais de 70 índios.

Hoje acordei reflexivo, vendo as notícias sobre mais um atentado, na França, coisa que parece não ter fim. Penso na vida que todos vivemos, no mundo que herdamos e no que estamos deixando para filhos e netos. É assustador!

Não quero e nem conseguiria descrever, numa longa e quase interminável lista, todas as mazelas da vida nesse planeta, Nem é preciso, basta abrir os olhos e ver. Mas, há pelo menos três situações ou circunstâncias da vida que fortalecem a minha crença de que estamos no limiar de um novo tempo, de que há algo de real impacto para acontecer, e que não há condições pra que demore muito mais.

Um dos fatos é esse terrorismo suicida, que se alastra e se torna a cada dia mais banal, contra o qual não há barreiras ou defesas possíveis. No passado os terroristas queriam matar, mas, não queriam morrer. Hoje, ao contrário, eles querem e fazem questão de morrer e levar com eles o maior número possível de pessoas, inocentes ou não.

Outro fato é a maior e mais terrível onda de doenças emocionais de que se tem notícia, pelas quais o ser humano está sendo atacado e tomado. Nunca o mundo padeceu tanto dessa terrível pandemia, que domina, escraviza, humilha e destrói a alma humana, atingindo, indistintamente, velhos, adultos, jovens, e, pasmem, até mesmo adolescentes e crianças. Coisas como síndrome do pânico, depressão, esquizofrenia e dezenas de outras doenças, atingem em cheio as pessoas, independentemente de suas condições econômicas ou sociais, fazendo-as implodir.

E um terceiro fator é a mais completa inversão e desprezo por valores morais e espirituais que já presenciamos, e que torna difícil, pra não dizer impossível, até mesmo formar uma opinião e ter posições e convicções. Como dosar, e ver na medida certa, preconceito versus respeito, ou discriminação versus amor? Não está fácil a vida humana. Aguentar outros seis mil anos, ou mesmo mais algumas décadas apenas? Complicado e dá pra achar que é inviável.

Como cristão, há vários anos eu fiz uma opção. Escolhi acreditar. Foi consciente e pensada. Não foi porque fui criado nesta ou naquela religião. Mas, entendo que, se tivesse nascido no centro do Iraque, Libia, Síria ou Afeganistão, ou nos EUA, na África negra ou no norte da Europa, eu seria outra pessoa, provavelmente com outras crenças e motivações. Quando penso nisso, eu inclino a cabeça humildemente, procuro me livrar de preconceitos, reconheço que faço parte de uma tribo global, e declaro minha total dependência de algo muito maior que eu.

Assim, como já disse, escolhi acreditar nesse Ser superior, que eu chamo de Deus. Com essa escolha, muitas coisas aconteceram ao longo do meu mais de meio século de vida pensante, e que se não constituem provas matemáticas ou laboratoriais de que Ele existe, no entanto, para mim têm sido evidências suficientes para fortalecer minha fé nEle.

E ao crer nEle, adquiri convicções, que, no entanto, não me permitem julgar nem condenar quem é diferente de mim, quem come, veste, pensa e acredita de forma distinta. Tenho em mente que Ele, esse Deus no qual eu creio, por algum propósito próprio, fez com que eu existisse, nesse tempo, nesse lugar, e é aqui que eu então procuro atuar, viver, acontecer, ter família, e praticar serviço de amor ao próximo. Sabendo que nada disso me garante sobrevida ou vida eterna, mas apenas me faz viver melhor e ter vida relevante. O resto? Não me pertence, apenas vivo segundo o que creio.

Desejo a você que me lê, tenha você qualquer tipo de crença ou não-crença, que procure ser relevante, no mínimo, por amor ao próximo, a quem você vê. Porque se não for assim, como amar e acreditar em quem você não vê?

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 15/Julho/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 15/Julho/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 8 de julho de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 33 - O QUE É A GRAÇA?

O QUE É A GRAÇA?
08/07/2016

Falar de graça, de amor e aceitação,
Falar de perdão, misericórdia e salvação,
Parece coisa fácil, parece coisa simples,
Mas, saiba, não é não.

Num mundo em que tudo espera por seu troco,
Mundo do jogo sujo, com cartas marcadas,
Da vantagem, do bom preço, falar de graça
É andar na contramão.

E, o que é essa graça, tão maravilhosa,
Que hoje é propagada pelas religiões,
Mas, que muitas vezes, não é compreendida,
E nem aceita é?

Parece arroz-de-festa, fala-se nas igrejas,
É assunto de sermões, de músicas e livros,
Emociona e toca corações e mentes,
Sim, o que a graça é?

Antes de mais nada, graça é presente,
Algo que ganhamos e que não pedimos,
Que não esperamos, às vezes nem queremos,
Ela vem do Céu.

Graça é não ter nada e receber tudo,
É estar aprisionado e descobrir-se livre,
Saber que nossa dívida já está quitada
Por Alguém maior.

Graça é receber do céu favor imenso,
Desfrutar daquilo por que não pagamos,
E, que não pagaremos nunca, porque nós não temos
Com o que pagar.

Não tente pagar por ela, não conseguiria,
Não dê nada em troca, nem tente ser digno,
Pois, será um esforço sem qualquer valia,
Apenas a aceite.

Graça é poder ter méritos alheios,
E é usar vestes que nós não compramos,
É poder ter coisas que jamais teríamos
Se Alguém não nos desse.

Seja como criança, a qual não possui nada,
Tudo que ela tem é dado por outros,
Do alimento à roupa, cuidado, moradia,
Nada é dela mesma.

Mas, agora escute, há um erro quanto à graça:
É pensar que ela justifica os erros,
E desconsidera os pecados todos
Feitos contra Deus.

Graça não apaga sérias conseqüências,
De uma vida longe do ideal divino,
Ela traz conforto, sim, traz esperança,
E justifica o ser.

Mas, saiba que a graça, a maravilhosa graça
Tem um lado doce de quem a recebe,
Porém, têm um lado duro, e até penoso
De Quem a concede.

Pois, se você tem hoje tão grande benefício,
É porque Alguém Se deu em sacrifício
E pagou o preço de todos os seus erros,
Com a própria vida.

Finalmente, a graça é inesgotável,
Bem maior que os nossos erros e pecados,
É maior que as crenças e o conhecimento,
Ela é dom de Deus.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 08/Julho/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 08/Julho/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: domingo, 3 de julho de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 32 - ESTRATÉGIAS DA GRAÇA DE DEUS

ESTRATÉGIAS DA GRAÇA DE DEUS
03/07/2016

"Se o homem houvesse guardado a lei de Deus conforme fora dada a Adão depois de sua queda, preservada por Noé e observada por Abraão, não teria havido necessidade de se ordenar a circuncisão. E, se os descendentes de Abraão houvessem guardado o concerto, do qual a circuncisão era um sinal, nunca teriam sido induzidos à idolatria, nem lhes teria sido necessário sofrer vida de cativeiro no Egito. Teriam conservado na mente a lei de Deus, e não teria havido necessidade de que ela fosse proclamada no Sinai, nem gravada em tábuas de pedra. E, se o povo houvesse praticado os princípios dos Dez Mandamentos, não teria havido necessidade das instruções adicionais dadas a Moisés." EGW - PP. pg.261.

Deus amplia suas mensagens e estratégias à medida que o homem vai tendo novas necessidades, sempre no propósito de alcança-lo e resgatá-lo. Isso também é Graça.

Mas, é bom que se compreenda que se, depois da queda, tudo houvesse acontecido daquela forma ideal descrita acima, por certo, faria o povo viver mais e melhor, mas, também por certo, ainda assim, não os livraria da morte eterna. Apenas Cristo Jesus e Sua morte substituta, pra quem tudo apontava, e que viria mais adiante, detinha essa possibilidade.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 02/Julho/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 03/Julho/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sábado, 2 de julho de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 31 - DEUS E NÓS

DEUS E NÓS
02/07/2016

Deus Se relaciona conosco, primordialmente, pelos parâmetros de Sua graça, pelo viés de Sua misericórdia, e não de Sua justiça. Davi já reconhecia isso no seu Salmo 103. Se Deus nos tratasse segundo os nossos pecados e de acordo com nossas iniquidades, teria que nos matar, não sobreviveríamos.

Segundo nosso grande poeta e músico, "o Senhor é misericordioso e compassivo, longânimo e assaz benigno" (v.8). E Deus age assim porque "Ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó" (v.14).

Que cada um olhe para si mesmo, e com sinceridade e honestidade de propósitos, analise seus pensamentos, suas palavras e ações, suas mais escondidas motivações e intenções, e reconheça e entenda que Deus nos trata, não baseado naquilo que de bom fazemos ou podemos fazer por Ele, mas, sim, naquilo que Cristo fez por nós.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 02/Julho/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 02/Julho/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: terça-feira, 7 de junho de 2016

Pérolas Esparsas - 23 - THERE IS A QUIET PLACE

THERE IS A QUIET PLACE
01/02/2016

Hoje acordei bem cedinho, sentindo necessidade de uma quieta reflexão, de conversar baixinho com alguém, ou, melhor ainda, apenas sentir que alguém estaria lendo os meus pensamentos. Não quis acordar Helena, que, cansadinha, ainda dormia pesado. Chovia muito, e logo tive que levantar e levar minhas filhas para o colégio. Voltei e fiquei no escritório, tentando esvaziar a cabeça das preocupações do novo dia.

Nessas horas, dispenso a música, só quero ouvir o silêncio. Nem ler eu quero muito, prefiro fechar os olhos e pensar e lembrar nas coisas que já li. Queria muito era poder ouvir a voz de Deus, sem os ruídos do mundo e da vida. Queria ter o privilégio de percebe-Lo numa brisa suave, como Elias, ou de ouvi-Lo num redemoinho, como Jó, ou, quem sabe, de encontra-Lo na chama do fogão da cozinha, lembrando Moisés nas montanhas de Jetro, ou ainda de identifica-Lo numa gota de chuva na janela, a escorrer, ou no orvalho, como Gideão. Sinto paz.

E só depois desses momentos preciosos, quando então resolvo escrever esse pequeno texto, é que, embora cresçam os barulhos do dia, um carro passe na minha pequena rua à toda, e ferramentas de uma construção próxima se façam escutar, eu me permito ouvir alguma música.

E procurei uma, do início dos anos 70, There is a Quiet Place (Há um Lugar de Paz), da pena abençoada de Ralph Carmichael, e que, na minha opinião, é a mais onomatopeica de todas as composições evangélicas, pois, título, letra, melodia e harmonia se casam à perfeição, para nos dar a sensação exata de calma e de paz. Achei essa versão, antiga e bem próxima dos acordes originais que o compositor criou, sem rebuscamentos vocais que quebrem a reflexão. Tenham paz, e um bom dia a todos, bem próximos do Príncipe da Paz.

Heritage Singers: https://www.youtube.com/watch?v=6AUz9bXwvb8

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 07/Junho/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 07/Junho/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 8 de abril de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 30 - VIVER NA GRAÇA

VIVER NA GRAÇA
08/04/2016

A graça talvez seja um dos assuntos mais falados em todas as religiões cristãs do mundo. De certa forma, tornou-se cult falar sobre graça.

Afasta-se da pregação a pecha de legalismo, cultua-se a graça como sendo o verdadeiro dom de Deus, e isso empresta aos discursos que são ouvidos dos púlpitos cristãos, uma aura de modernidade, de cultura e discernimento espiritual.

No entanto, pode-se perceber claramente que há vários tipos de entendimento sobre a graça. Por exemplo, costuma-se ouvir nos sermões, expressões Paulinas como “caídos da graça”, quando pregadores se referem a pessoas que teoricamente buscariam nas boas obras um indispensável coadjuvante na questão da salvação.

De outro lado, ouve-se muito a expressão “graça barata”, cunhada pelo teólogo alemão, luterano, do tempo da II Guerra, Dietrich Bonhoeffer, quando se quer menosprezar a ideia de uma graça suficiente e que garanta a nossa salvação.

Há, portanto, extremos liberalistas e também legalistas na compreensão do que vem a ser a graça de Deus, e como ela atua no processo da nossa salvação.

E é relativamente fácil falar sobre a graça, pregar, ensinar, cantar, teorizar sobre ela. O difícil, e fundamental na vida cristã, é viver na graça, viver a graça, compartilhar essa bênção e fazer uso constante dela com aqueles que nos cercam em nosso dia-a-dia. Já temos visto em excesso demonstrações de falta de graça em casa, no trabalho, nos nossos relacionamentos, nas redes sociais, na igreja.

Mas, eu conheço pessoas que não tem a menor condição de fazer um sermão, cantar, ensinar sobre a graça, no entanto, a vida delas é uma demonstração plena de crescimento diário nesse dom do céu.

Em todas as questões e situações que enfrentamos na vida, agir com graça significa fazer uso constante e natural de gentileza, generosidade, tolerância, mansidão, respeito, honestidade, paciência, bondade, verdade e amor.

Já disse alguém (I Cor. 13) que posso até falar a língua dos anjos, conhecer toda a ciência, dar meu corpo para ser queimado, ter fé que transporte montanhas, se não for por amor a Deus e ao meu semelhante, não serve pra muita coisa, estamos perdendo tempo, enganando aos outros e a nós mesmos.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 08/Abril/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 08/Abril/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: quarta-feira, 30 de março de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 29 - FAVOR, COM FAVOR NÃO SE PAGA

FAVOR, COM FAVOR NÃO SE PAGA
30/03/2016

Não há como retribuir um favor. Portanto não tente, nem mesmo agradecer, pois sempre será insuficiente. Um favor, feito na hora em que o favorecido precisava e dele dependia, não tem preço, não há como pagar, pois aquele momento da necessidade foi para a eternidade, não volta jamais. Assim, favor não se paga, nem mesmo com outro favor.

Só é possível sentir um pouco mais o real significado de um favor, quando o fazemos a quem não tem a menor condição de pagar ou retribuir por ele. Essa é a essência da graça de Deus ao homem. Graça se aceita. Não há como pagar por ela, não há como retribuir, não há como agradecer. Apenas usufruir e compartilhar.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 30/Março/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 30/Março/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: quarta-feira, 9 de março de 2016

Reflexões Sobre a Graça - 28 - COMO SERIA JESUS HOJE?

JESUS HOJE
09/03/2016

Fico pensando, numa situação apenas imaginária, como seria Sua passagem por nosso mundo, se Jesus Cristo viesse aqui, pela primeira vez, nos nossos dias.

Nasceria numa favela, na periferia de uma grande cidade, debaixo de uma ponte como morador de rua? Morreria morte de cruz, ou seria decapitado, fuzilado, eletrocutado, queimado vivo? Como seria Seu visual, usaria túnicas e sandálias ou, dessa vez, vestiria calça jeans, camiseta e tênis? Terno e gravata? Será?

Seria afinado com PTistas ou PSDBistas? Democratas ou Republicanos? Blancos ou Colorados? Trabalhistas ou Conservadores? Comunistas ou Capitalistas? Seria de esquerda ou de direita? Islâmico ou judeu?

Será que Se envolveria com governantes e autoridades ou, mais uma vez, manteria distância deles e se concentraria em atender o indivíduo comum em suas necessidades básicas e carências espirituais? O “o meu reino não é deste mundo” e o “dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” continuariam fazendo parte do Seu discurso?

Escorraçaria os comerciantes da fé, da mesma forma como o fez com os vendilhões do templo? Diria a teólogos e doutores da lei o mesmo que disse a Nicodemos? Participaria de debates doutrinários acirrados e intermináveis, ou Sua doutrina continuaria a ser baseada nos conceitos de relacionamento e vida eterna do Sermão do Monte? Desta vez frequentaria mega-templos das mais diversas instituições religiosas ou novamente faria nas ruas, praças e ao ar livre as Suas pregações? Usaria para isso a Internet?

Acolheria gays, lésbicas, travestis e transexuais da mesma maneira que fez com prostitutas e adúlteras? Curaria aidéticos como curou leprosos? Salvaria corruptos e roubadores do povo como salvou Zaqueu e Mateus? Seria mais inclusivo ou exclusivo?

É verdade que a complexidade da vida humana hoje não guarda qualquer similaridade com a da vida no tempo de Jesus. O mundo e sua população atual de mais de 7 bilhões de pessoas tornam qualquer comparação inútil e impossível. Por isso, não vou me estender em outras questões, não conseguiríamos responde-las com precisão, mas, eu penso que há pelo menos três particularidades da vida de Jesus que estariam presentes como da vez primeira, e isso é que é o importante.

Seu contato e relacionamento com Deus, para seguir as estritas orientações do Seu Pai, seriam os mesmos. Seu amor incondicional, sem limites, restaurador e transformador seria o mesmo, que aceita o homem em qualquer condição, mas, não o deixa assim. E a condenação severa ao reino, às obras e aos representantes das trevas, onde quer que Ele os identificasse, também seria a mesma.

Felizmente, Jesus já veio, no tempo certo, determinado pelo Céu. E não apenas pagou a grande dívida do homem em função do pecado, mas, ato contínuo, nos estendeu os benefícios de Seu perdão e graça. Seus princípios de fidelidade, liberdade e amor sem limites, continuam os mesmos. Continuamos sendo salvos unicamente por Sua graça e não por qualquer coisa de bom que tenhamos, sejamos ou façamos. Amém por isso. Não fosse assim, não teríamos chance alguma.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 09/Março/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 09/Março/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: domingo, 31 de janeiro de 2016

Pérolas Esparsas - 22 - PRÁTICAS DA SERPENTE

PRÁTICAS DA SERPENTE
01/02/2016

Hoje cedo, nas minhas reflexões matinais, fixei minha mente em um texto bíblico (citado abaixo) sobre as nossas palavras. Sempre tive uma grande preocupação em relação a isso, porque quando jovem eu falava demais, ou seja, falava mais do que devia e de forma como não devia. E quem age assim, normalmente, fala impropriedades e fere as pessoas.

Com presença nas redes sociais, já há vários anos, tenho identificado, nos debates a que assisto, pelo menos quatro táticas muito comuns, rasteiras e pobres, utilizadas por grande parte dos que deles participam. E, falando o que penso a respeito disso, no meu entender, são práticas absolutamente negativas, desrespeitosas, que, no plano espiritual, têm tudo a ver com o inimigo de nossas almas. Ou como diria o meu amigo Dr. Jea Myung Yoo, são práticas da serpente.

Você há de concordar comigo que certos termos, frases e assertivas usados aqui na Web ultrapassam, e muito, os limites da educação, sobriedade, boas maneiras, decência e civilidade, que devem caracterizar o nosso falar, denotando, ao invés disso, nada mais que desamor e grosseria.

1) DESMERECER O LADO DO OPONENTE

Com frequência vejo pessoas se afastando da questão debatida para, simplesmente, procurar, nos arraiais do outro (igreja, partido político, empresa, amigos, etc) fatos negativos do passado, que possam desmerecer e, assim, diminuir o impacto e a importância do que o outro expôs.

2) DESMERECER O PRÓPRIO OPONENTE

Tática semelhante, que se fixa em descobrir na vida e em atos já praticados pelo outro, as mesmas coisas negativas, vergonhosas, ou, no mínimo, dúbias e controvertidas, para, também constranger e deixar em situação vexatória o seu oponente de ideias e opiniões.

3) ESCÁRNIO, ZOMBARIA, IRONIA

Outra tática perversa, que busca, sendo sarcástico e às vezes até engraçado, causar um certo vexame ao debatedor oponente, e assim, também neutralizar o que ele disse ou mostrou. Aqui entram termos zombeteiros fortes, que não me permito citar aqui, mas, que todos conhecemos bem.

4) AGRESSIVIDADE PURA E SIMPLES

Essa é uma das mais daninhas formas de debater, pois, nesse caso, esgotados todos os outros artifícios já mencionados, a pessoa parte para a briga mesmo, para o xingamento, e se o debate não fosse virtual, certamente se transformaria em caso de polícia e hospital.

Uma coisa triste é que temos visto essas três práticas, não apenas em debates a respeito de política, economia, futebol, costumes, mas, infelizmente, também usados por nós cristãos, em questões espirituais e religiosas, onde, pelo que sabemos, o amor, o respeito e o bem-querer deveriam ser a tônica e o sentimento a reger o nosso comportamento.

Vamos ao texto bíblico que mencionei acima:

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu, na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras.”. Ecl.5:2.

Os irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle, dois dos mais excelentes compositores da MPB nos anos 70, nos deram uma pérola chamada Viola Enluarada, e cuja letra começava dizendo: “A mão que toca um violão, se for preciso faz a guerra, mata o mundo, fere a terra. A voz que canta uma canção, se for preciso canta um hino, louva a morte.”

A ideia da letra era ligeiramente diferente, mas, podemos aplicá-la aqui. Os mesmos lábios que entoam um hino a Deus e celebram Seu amor e graça, podem também machucar e humilhar o próximo, com palavras duras, causando-lhe feridas severas. E, às vezes, essa ferida não tem cura, torna-se fatal, irrecuperável, é ferida de morte.

Portanto, ao participar de debates – e isso é sadio, estimulante, mesmo que dificilmente faça alguém abdicar de suas ideias originais – preocupemo-nos com isso, pois, na ânsia por mostrar nossa sabedoria, visão e argumentos "irrefutáveis", diminuímos, desqualificamos, menosprezamos terrivelmente nosso semelhante, cujo maior pecado é pensar, comer, vestir, crer, viver de modo diferente de nós.

Além disso, temos o dever moral e a orientação bíblica. Quer saber qual é essa orientação? Vou citar apenas três conhecidos textos, mas há muitos mais, gaste um tempinho e pesquise sua Bíblia: Efe.4:29, Efe.5:3-4, Col.3:8.

E, se, depois de refletir sobre o que está dito acima, você quiser ouvir uma antiga gravação desta bela canção, com os compositores e mais Milton Nascimento (que luxo!), clique lá embaixo.

Tenhamos todos uma semana feliz, menos azeda e peçonhenta, sendo mais amorosos e corteses, sob as bênçãos multiformes da graça de Deus.

https://www.youtube.com/watch?v=jBMqXCz70TA&list=RDjBMqXCz70TA

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 01/Fevereiro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 01/Fevereiro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Pérolas Esparsas - 21 - RELEMBRANÇAS

RELEMBRANÇAS
15/01/2016

Estou aqui fazendo algumas reflexões, lendo, ouvindo um pouco de música, tendo entrado nas horas do Sábado, e eis que vem à minha mente uma cena da infância, pinçada dentre as muitas que a minha já cansada memória ainda guarda prazerosamente. E eu me delicio gostosamente, saboreando cada reminiscência.

Vejo-me numa tarde de Sábado, após o culto divino da manhã, lá na Igreja Adventista Movimento de Reforma, à qual pertencia com minha família, em Cascadura, no Rio de Janeiro. Ainda me lembro do endereço: Rua Barbosa, 230. Tinha eu em torno de 8 a 9 anos, e lá se vai mais de meio século. Há dois anos estive lá, tarde dessas, levado pelo coração saudoso, pedi ao zelador para entrar no terreno e na igreja, e parece que o tempo ali parou. Pouquíssima coisa mudou naquele cenário de tão doces lembranças pra mim. Quantas peraltices, quantas repreensões e castigos, quantos joelhos ralados e pés sujos!

Mas, eu falava das tardes de Sábado, em que, após o almoço, sempre na igreja – levávamos todos a própria comida – conversávamos e estudávamos a Bíblia debaixo de duas frondosas mangueiras que havia no terreno ao lado do templo – essas não existem mais – e, não raro, cantávamos. Lembro-me de meus pais cantando ali conosco, minha irmã ainda um bebê. Esses hinos, que aprendi a amar, até hoje ecoam em meus ouvidos, e bastam algumas poucas notas de qualquer deles, para que minha imaginação me transporte a esse saudoso passado perdido no tempo.

Foi lá que eu me encantei com um antigo harmônio de pedal e foles, que eu sonhava poder tocar um dia, para acompanhar aquelas belas canções da fé. E entre os muitos queridos e inspirados hinos, lembrei-me agora de um, lindo, que acaba de me trazer lágrimas teimosas. Chamava-se “Há Um País de Eterna Luz”. Apreciava particularmente uma frase dele, que foi modificada na letra atual, e que dizia: “Oh, quem me dera remover a minha imperfeição!”.

Esse é um anseio legítimo de todos os crentes salvos pela graça: nela crescermos, e, apesar de não atingirmos esse ponto antes que Jesus volte, não descansarmos, mas corrermos para o alvo, para o prêmio da soberana vocação em Cristo, para obtermos, lá então, a perfeição completa nEle, e sermos semelhantes a Ele.

Meus pais já se foram ao descanso, e eu estou indo. Vou com toda a minha imperfeição, mas, com o desejo cada vez mais firme, de poder ver o Rei em Sua glória, se possível, sem passar pela morte. No entanto, se tiver que passar, tenho certeza de que me erguerei ao som da trombeta de Deus. Não tomem isso como arrogância espiritual, mas, sim, como certeza da salvação, coisa que nunca tive até que o aprofundamento no estudo da graça de Deus me assegurou disto. Essa é a minha bem-aventurada esperança, e é por ela que vivo e quero viver. Cada vez mais quero muito tudo isso.

Cliquem no link abaixo e ouçam esse belo hino. É o 548 do Hinário Adventista, num andamento mais rápido do que eu gostaria que fosse, mas, ainda assim, capaz de me trazer conforto e paz. Consigo imaginar-me subindo o monte com Moisés para dali contemplar a bela Canaã de Deus.

Com essa música, desejo a todos os meus amigos, crentes em Cristo ou não, um FELIZ SÁBADO! SHABAT SHALOM!

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 15/Janeiro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 15/Janeiro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Pérolas Esparsas - 20 - DEUS É NADA!

DEUS É NADA!
08/01/2016

O ateu chega numa entrevista / debate e diz: "A vida - e TUDO que existe - veio do acaso, veio do NADA".

Resumindo, em uma frase de efeito: TUDO, absolutamente TUDO, veio do NADA absoluto.

Em seguida ele afirma que Deus não existe. Portanto, para ele, Deus é NADA.

Então, podemos deduzir, num silogismo simples: se TUDO veio do NADA, e DEUS é NADA, logo, TUDO veio de Deus.

Nesse silogismo simples, sem querer, o ateu reconheceu a criação. E nós podemos então dizer as frases certas:

"E vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; ... porém, Cristo é TUDO em todos." Col.3:10-11.

Ou:

" ... para que Deus seja TUDO em todos." I Cor. 15:28 up.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 08/Janeiro/2016.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 08/Janeiro/2016.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.